DERMOPELICTOMIA ABDOMINAL

Os resultados da cirurgia são muito bons e definitivos, a não ser que a paciente volte a engordar excessivamente ou tenha nova gestação.

A cirurgia em relação às estrias pode ajudar bastante se estas estiverem abaixo da cicatriz umbilical.

A anestesia usada normalmente é a peri-dura, mas depende bastante da avaliação do anestesista previamente a cirurgia.

Com relação à dor no pós-operatório não costuma haver muita incidência, pois há medicação administrada o suficiente para ter uma recuperação agradável.

É necessária a utilização de cinta para melhor postura e evitando que o paciente se movimente bruscamente e facilitando a acomodação da pele. Deve ser usada por no mínimo 60 dias.

Nesta cirurgia como em qualquer outra pode haver complicações sim; as comuns são na fase recente sangramento e na tardia seromas, deiscência e necrose

Correção de abdômen

• Repouso que é fundamental em uma posição que chamamos de fouler, ou seja, em decúbito dorsal (barriga para cima) pouco elevado, com flexão dos joelhos e da coxofemoral em média 70 a 90°.

• Sugerimos ficar andando recurvada por mais ou menos sete dias para evitar tensão no corte e assim evitando alargamento do mesmo.

• Dirigir após 30 dias e exercícios físicos após 60 dias.

• Devemos evitar a tração na cicatriz, mas também devemos lembrar que o resultado depende da qualidade e textura da pele da paciente.

Rua Manoel da Nobrega, 1624 |  (11) 3885-0044 | (11) 99611-4395

ricardotoshio@terra.com.br